AS LIÇÕES DA PANDEMIA EM 6 ANTIGOS DITADOS POPULARES

1. O seguro morreu de velho. 

É... Descobrimos da pior forma possível que o que está ruim, sempre pode piorar. Por isso devemos ter planos alternativos (de vendas, de comunicação, de parcerias e etc). Então, se você tem uma loja física e não vende online, nem tem um plano para isso, acho bom ir pensando melhor. Na verdade, já deveria ter pensado né? Já estamos nessa há 4 meses! E não quero te desanimar... Mas isso ainda vai longe. Você ainda pensa que não precisa de redes sociais, que seus clientes vão até você? Será? Você já viu o quanto cresceu o acesso às redes sociais nestes últimos meses? (Dá um Google aí e depois a gente conversa...) Ok! Você não tinha o seguro, e agora? O que ainda dá para fazer? Faça agora o que não fez antes! Sabe tudo aquilo que você pensava que ia fazer no futuro? Pois é! O futuro é hoje. E hoje é dia de pensar em hoje e amanhã. Faz o site, redes sociais, convênios, vendas online, faz tudo que você estava pensando em fazer (mesmo que não vá usar agora).

2. Uma andorinha sozinha não faz verão.

Outra grande descoberta que fizemos é que o inimigo não mora ao lado. O teu vizinho não é teu concorrente! Ele faz a economia girar ao teu redor e vocês ainda podem e devem trabalhar juntos! Isso é economia colaborativa e pode ser a grande solução para momentos de crises. Mas aí você pensa como fazer isso acontecer? Simples! Faça convênios ou promoções conjuntas. Uma Floricultura e um restaurante podem fazer uma excelente proposta: Peça seu jantar romântico e receba as flores junto! Ou ainda compre o presente na Boutique e leve bombons para agradar ainda mais aquela pessoa especial. Já pensou em fazer um corte de cabelo e ganhar uma sessão de massoterapia? Ou dar uns óculos de presente e levar de brinde uma cerveja? E se você pensa que o mesmo segmento não pode se aliar, está enganado! Um pode servir o jantar e outro o almoço! Basta criatividade e colaboração. E tem mais. Está sem dinheiro? Tem uma moeda que ainda circula muito entre nós: a troca! Experimenta!

3. Quem não se comunica se trumbica.

Neste momento de isolamento a comunicação se tornou mais importante do que nunca!! Teu cliente não tem bola de cristal por isso sumiu! Ele não tem como adivinhar que você voltou a atender se você não falar. Você está agendando horários diferenciados, está atendendo a todas diretrizes de segurança recomendadas na atual pandemia e não contou para seus clientes? Como eles vão saber? Teu produto tem um diferencial bem relevante para este período... se você não falar ninguém vai saber. Você oferece vantagens ou teu serviço pode representar economia? Fala! Você não fazia tele entrega e agora faz? E teu cliente vai saber disso como? Te comunica! Redes sociais estão paradas? Movimenta já! Recebe mensagens nas redes sociais e não responde? Não faz isso! Nunca!!!! Você já tem lista de e-mail e whats dos clientes? Então agora é a hora de usar!

4. Quem não tem cão, caça com gato.

Fechou tudo e não tem como vender? nunca quis fazer site, muito menos vendas online? Deu tudo errado mesmo? A tua situação é a pior que se pode imaginar? Ainda assim dá para se virar não é mesmo? Hoje em dia qualquer celular faz foto. Então vamos lá! No facebook você encontra um monte de grupos de venda, além do marktplace, claro! Tem ainda grupos de divulgação regionais, você já conhece o Dicas NH? Dicas São Léo? Ou Dicas Ivoti? E mais, grupos de amigos e vizinhos do WhatsApp também podem ser uma excelente estratégia. Se você não tem um site, um catálogo ou cardápio digital pode ser a solução mais rápida, barata e eficiente para você sair vendendo pelo whatsappp. Então não tem desculpa. Não desanima!

5. Água mole, pedra dura, tanto bate até que fura.

Logo que começou a onda de isolamento social houve um certo temor de que as pessoas não iriam mais consumir como antes, ou ao menos, que o consumo iria cair substancialmente, no entanto, o que se observou foi que o consumo mudou um pouco, mas nem tanto... Apesar de uma onda de medo as vendas pela internet cresceram quase 40% nos primeiros dias da quarentena. Algumas vezes é preciso mostrar para o consumidor que ele quer, ou melhor, que ele precisa o teu produto! Você fica olhando as fotos e posts bem produzidos dos produtos e acaba querendo, não é mesmo? É assim com teu cliente também. Turismo, Viagem, hotelaria... será que não é o momento mesmo? E porque não? Não é quando estamos exaustos que pensamos nisso? E planejar uma viagem com tempo e com parcelas baixas pode até ser um estimulo o para passar esses dias, basta saber mostrar isso para seu cliente. Então, se você souber ser criativo, não importa o que você vende, você seguirá vendendo. Eu garanto.

6. O barato sai caro.

Hoje eu vou contar uma coisa par vocês que eu falo há muitos anos: NÃO FAÇA ECONOMIA BURRA. (Pode guardar essa frase para você, ela será útil para o resto da vida). Quanta energia, tempo e até dinheiro você perde tentando fazer o que não sabe? Você não sabe nada de criação de sites e tenta fazer o seu.... Perde horas, dias e a paciência e não fica bom... será q estas horas não teria sido mais bem aproveitadas fazendo o que você realmente sabe fazer? Eu por exemplo, não sei costurar, já tentei muito, fiquei horas assistindo vídeos no youtube tentando colocar aquela linha “infernal” pelos caminhos da máquina de costura para enfim colocar o meu pé naquele pedal e descobrir que a linha enrolou, enredou e que teria que fazer tudo de novo... Se calcularmos que perdi umas quatro horas nisso e que a bainha da calça custaria em torno R$ 25,00 e eu teria ganho uns R$100,00 ou até 200,00 com meu trabalho, fazendo o que gosto e sem me frustrar... essa foi a típica economia burra. Até porque eu acabei pagando para fazer a bainha da calça e perdi as 4 horas e a paciência. Affff! Outro exemplo que costumo dar aos meus clientes, você tem uma agência que gerencia tuas redes sociais e não quer dar verba para patrocínio, é economia burra. Porque você está investindo num excelente trabalho para mostrar só para 3% dos teus seguidores? A verdade é que se você paga para alguém fazer o serviço para você, ou paga por um produto, sobra tempo para se dedicar ao que realmente importa, o seu trabalho. Então, faça você mesmo só o que você sabe e gosta de fazer.

E você? Conta aí qual ditado popular tem orientado teus meses de isolamento social?